Conheça a história e trajetória de Diego Santos, Hairstylist, Tricoterapeuta e Estética

Diego é natural de Giruá (região noroeste) reside em Júlio de Castilhos na região central do estado onde presta serviços em seu “ATELIER DIEGO SANTOS”

Conheça a história e trajetória de Diego Santos, Hairstylist, Tricoterapeuta e Estética
Foto: Divulgação

Literalmente um sucesso que já não é de hoje, mas construído esmeradamente através de uma caminhada mirífica.

 

Formado em:

-Estética/cosmética-Unijui

-Técnicas de corte e cores- Academia llongueras-AR

-visagismo, estrutura de cortes e penteados- Pivot point- Sao paulo-SP

-Tricoterapeuta associado a ATT-BR e a ONATRI-BR

-Tricologia do Fio- instituto Wella profissionais.

-Colorimetria- instituto L’Oréal.

 

Possui ênfase em Colorimetria por intermédio da empresa alemã Schwarzkopf igualmente na capital. Mais de 60 cursos de especialização e capacitação.

 

Talvez este vasto currículo sejam as justificativas certeiras de ininterruptamente manter seu reconhecido trabalho sempre solícito.

 

Atuante a mais de 15 anos na esfera do embelezamento de cabelos, em sua trajetória Diego passou por diversos salões até aprimorar seu talento.

 

Exerceu durante 2 anos atividades ligadas ao Senac unidade Santa Rosa/RS e a exatos 8 anos ministra cursos de aperfeiçoamento incorporando todo conteúdo pertinente ao seu ramo, prestando ainda assessoria para novos e micros salões.

 

Acirrada também é sua agenda de viagens para o conceber atendimentos, cursos e o fechamentos de vindouros negócios.

 

A rotação de seus itinerários é principalmente regional, circulando por Santa Rosa, Passo Fundo, Três de Maio, Santo Ângelo, Santo Cristo, Giruá, São Luiz Gonzaga e Santo Tomé(Corrientes)-AR.

 

O foco e especialidade deste prodigioso cabeleireiro são os tratamentos advindos da química, tais como mexas, reconstrução do fio e as vigorosas transformações de cabelos.

Sua marca já é grifada em ocasiões como festas de 15 anos e casamentos.

Diego afirma convicto de que ser cabeleireiro é como ser um cavalheiro da auto estima, pois, não existe nada mais compensador do que observar a total realização do outro propiciado pelo seu trabalho.

 

Com informações de Diego Santos