A importância da espiritualidade

A importância da espiritualidade

O que é mais importante, ter uma religião ou ter uma espiritualidade?

Em primeiro lugar, vou deixar bem claro duas coisas: Jesus não fundou nenhuma religião e segundo, religião nenhuma salva. A salvação não está em pertencer a esta ou aquela religião, estando nesta e nessa igreja.

Espiritualidade é uma coisa e religião é outra coisa. Em todas as religiões existe uma espiritualidade, que termina se identificando, possuindo os elementos comuns.

As religiões possuem normas, doutrinas, dogmas, empregados com castigo e recompensa, falam de pecado, culpa, causa de divisões, ouvem preceitos de um livro sagrado, se alimentam do medo do castigo eterno, criam ou “inimigos” (personagem do mal ), nos ensina a renunciar ao mundo e sonhar com um paraíso, prometer felicidade após a morte, quando abandonar o corpo, algo visto como negativo.

Por outro lado, todas as pessoas possuem uma espiritualidade, independente de professar uma ou outra religião, até mesmo, sem nenhuma religião, por que não diz, até que diz não crer em Ser Superior. A espiritualidade não surgiu de uma organização externa. Ela está presente no nosso interior. Lembra quando Jesus disse: “O Reino de Deus está dentro de vocês?” Então, nascemos com essa semente de Deus, somos seres divinos ou divinizados, somos seres espirituais vivendo uma experiência no corpo.

Como se manifesta quem somos seres espirituais, possuidores de uma espiritualidade? Pelo simples modo de agir, ver o mundo, como pessoas, a realidade, os acontecimentos. Minha espiritualidade me faz olhar todas as pessoas e ver as maravilhas do Divino, como dizia Jesus: “Quem me vê, vê o Pai”. A espiritualidade me faz ver pessoas que não causam suas doenças, nem sua raça ou condição de vida, mas que problemas têm em comum, valores e princípios, condições comuns de sermões amados, respeitados, valorizados, sermões fraternos e solidários.

A espiritualidade me faz contemplar o Divino na natureza. Por isso, minha relação de respeito e defesa dela. Eu defendo os animais, os rios, as aves, os insetos, o ar, etc. Minha espiritualidade me faz ser uma pessoa educada, que sabe dar um lugar para outro ônibus, ou qualquer outro lugar. Minha espiritualidade me faz respeitar os idosos e nunca abandoná-los. Minha espiritualidade me faz um marido que participa da vida dentro de casa, que divide todas as tarefas; me faz ser um esposo fiel. Minha espiritualidade me faz defender a vida sempre, não importa quem seja.

Você percebe que para viver uma espiritualidade eu não preciso de uma religião? Para que serve, então, como religiões? Deveriam servir para alimentar a espiritualidade. Vivemos muito melhor e alimentamos muito mais nossa espiritualidade quando derrubamos todos os "muros" das religiões, transitando e bebendo cada vez uma ou mais.

Observe uma vida de Jesus e você poderá se tornar um melhor modelo de vida espiritual, não mais visível se ele viver a verdadeira espiritualidade: um homem que passou fazendo o bem; que se aposentar para ficar sós; que passava noites de oração; que freqüentava como sinagogas; que contempla os ensinamentos do Pai no ato de agir, na beleza da natureza, no ato do agricultor, na casa, no homem rico, no pobre, na mulher, na criança, no pagão, no judeu, no excluído, nos amigos , nos inimigos, nos mestres, nas escrituras, etc.

Alimente sua espiritualidade nas muitas manifestações do Divino. Desde a hora de levantar até o anúncio novamente, muitas são as oportunidades para suprir minha espiritualidade e ser também uma fonte para os outros.

 

Fonte: Revista Pazes